Quando a tristeza ataca e a beleza da perseverança

Às vezes a tristeza ataca. Aparece assim, de mansinho, lágrima seca e contida – para, só então, quando nos sentimos confortáveis em sua presença, revelar a verdadeira face que possui: a depressão. Acontece quando o vento acaricia as folhas sob influência de brisa invernal, acontece quando estamos longe de quem amamos; acontece à noite, de … Continue reading Quando a tristeza ataca e a beleza da perseverança

A (não tão) louca razão de minha gaiola

Tenho que admitir que tenho alguns sérios bloqueios emocionais. Talvez isso se deva a alguns traumas específicos. Não consigo me abrir facilmente, mas amo com extrema dedicação e sem hesitar. Isso torna tudo muito difícil, já que não posso me expor enquanto um sentimento é nutrido dentro do seio. Perdi a confiança ao longo de … Continue reading A (não tão) louca razão de minha gaiola

A quarta carta

Ele era a personificação de meus sonhos e desejos. Era tudo o que havia sonhado. Ah, mas como adivinharia? Ele estava morto por dentro! Sua beleza bloqueava-me a visão: não poderia ver a carne putrefata, tampouco suas veias secas ou a ausência de um coração – este havia sido devorado por vermes e moscas, jazendo … Continue reading A quarta carta

Eu, você, ela

Era um quarto. Um quarto de paredes brancas, e pequenos espelhos de madeira adornada, tingidos da mesma cor pálida que fechava aquela casa de bonecas de tamanho real, estavam pregados por todo o lugar. Havia também uma cama, com dossel, que estava ali já desde a infância dela. O quarto possuía também uma escrivaninha com … Continue reading Eu, você, ela